quinta-feira, 29 de maio de 2008

Explosions In The Sky (e mais...)

Como a minha memória cada vez vai a peor (e o que lhe queda...), vou fazer resumo dos últimos concertos aos que fum. Nom todos respondem à etiqueta de "Nº 1 em Arbolícia" que leva este post -isso só o acadárom os Explosions in the sky, enormes-, pero quero deixar constância deles igualmente... nom vaia ser que dentro de pouco nom lembre te-los visto.

"Hello, we're Explosions In The Sky, from Texas, USA"
.

On your knees, motherfuckers!

Vou começar polos que mais o merecem, os frikis de Austin (Vera Club, 14-maio). Uns velhos conhecidos tanto do público local groningiano como do vigués -graças ao SinSal que os trouxera fai uns aninhos-. Tinha a dúvida de como me iam sentar, agora que um já está médio de volta do rolho post-rock (mais aínda disfrutando-o). E sentárom moi bem. Neste tipo de concertos o peor que pode passar é que penses que che estám tomando o pelo, e isso nom aconteceu em nengum momento. Nom escatimárom nada da intensidade que se lhes supom, pero ademais acadárom altas cotas de emoçom. Esta banda segue a ser um espectáculo ao vivo, especialmente pola sua tendência a tocar axeonlhados. Algo digno de ver-se: o tio que na foto está à direita começa a baixar os braços e a dobrar o lombo cada vez mais, e os outros dous segue-no... e quando te das de conta já nom os ves, porque estám os três de xeonlhos, atacando com sanha as guitarras. O melhor é que nom parece impostado senom natural, estes vivem o seu rolho. Enfim, desfrutei do show, quiçais especialmente pois fazia pouco que escoitara os seus últimos discos e me causaram moi boa impressom. O emperador negro está morto, vivam as explosions no céu!


Eluvium, para isso melhor ficavas na casa

Como teloneiro actuou um fulano que ganha a friki a quem se ponha por diante: Eluvium. O melhor que podo dizer del é que tem moito gusto para as portadas, como se pode apreciar no seu MySpace. Polo demais, deve ser um ghicho moi sensível (e ademais tem um Mac), pero é um mistério para mim como consegue que alguém o contrate para dar concertos. Plano e aburrido, o tipo. E o de manipular os sons que el mesmo fai, em plan one-man-band... machinho, isso é difícil, que lhe saia ao de Final Fantasy nom quer dizer que todos o podam fazer bem. Nada do outro mundo, em resumo (e por certo, ao final do seu concerto deu-me uns dos baixons de tensiom mais ghrandes da minha vida, menos mal que o ar fresco e a birra fria me dérom forças para o 2º acto).

Sebadoh, segundons até a morte

30 de abril. Toda Holanda celebra o dia da raínha (um santeleko a escala nacional). E eu, que a noite anterior o passara de vício num par de concertos gratuítos na rua (dos que falo algo mais adiante), prometo-mas moi felizes porque tenho entrada para ver a um das lendas do underground americano: Sebadoh.



Tenho que admitir que nunca me chamárom demasiado a atençom. Via-os como um grupo de segunda com respecto a Dinosaur Jr., o qual já nunca me pareceu que chegasse ao máximo nível que si acadárom outros grupetes americanos da sua época (ali estavam REM, Pixies, Sonic Youth, mesmo Hüsker Dü). A pesar disso ia com bom ánimo, baixara recentemente um par de discos seus (antes só tinha o mítico 7" de "Gimme indie rock", da minha época de comprar vinilos por correo) e ia com toda a predisposiçom a deixar-me convencer.

Pero... nada, nada de nada. Canções? Efectivamente: nunca as tivérom e seguem sem telas. Estilo? Desde sempre consistiu no rolho "nom sabemos tocar, haha, que graça, e ademais tocamos rock ruidoso sem mais nada... pero vimos do underground americano, olha pra lá!". E tristemente seguem igual. Sentido do humor? Nengum, mesmo pareciam médio cabreados com o público.

Viu-se claramente que o seu único hit (em 20 anos de carreira!) foi o mencionado "Gimme indie rock", que deixárom para o bis. E nom é que seja um temazo, é mais que nada a brincadeira...

Enfim: Lou Barlow, retira-te já!

A noite anterior ao dia da raínha: festa!!!

Pois si. Fora de casualidade e resulta que, na praça do mercado, havia concertos gratis a punta pala... e nada mais chegar escoito ao longe uns sons como da Oyster Band. Achego-me e... um peazo banda destas que imitam o legado dos Pogues (benditos sejades, meus), em plena actuaçom!

Os tipos em questom chamam-se Scrum e recomendo-os encarecidamente. Desgraçadamente nom tenho fotos em condições, pero podedes ve-los tocando umha salvage versom de "Amazing Grace" no seguinte vídeo.








Tocárom "Auld Lang Syne", a "Worker's Song" dos Dropkick Murphys -da que já falaramos aqui-, a cançom irlandesa que Motor Perkins versioneam como "Rosa dos Ventos" -nom me apetece buscar mais info sobre ela agora-, e creo lembrar que "Streams of Whiskey" dos Pogues. Um espectáculo brutal, esta gente si sabe fazer festa. Só por ver ao cantante -sempre com a saia escocesa, of course- cuspir augardente a um facho para lançar lume, já vale a pena ve-los. Pero nom só por isso, olho.

Juro que nom é que o alcool me estrague o sentido crítico: nom bebera moito, e ademais a prova é que o seguinte grupo me pareceu umha merda (o típico grupinho de versões horteras dos '80). Pero curiosamente o que veu despois tamém estivo moi bem: Big Shampoo & the Hairstylers, umha banda neerlandesa moi interessante. Fam maiormente revival r'n'b, boa música dos '40-'50. Tenhem umha amplíssima secçom de vento, coristas, vam vestidos de época e o cantante leva tupé, que mais podes pedir? Pois algumha originalidade... como de feito fixérom: i é que no médio do concerto passárom, durante um par de temas, do r'n'b de fai 50 anos ao de agora, com as duas coristas fazendo de Beyoncé. Nom lhes quedou demasiado bem -faltava-lhes voz-, pero foi abnondo pra deixar-nos com a boca aberta.


O dia das letras galegas, com Shantel em Hamburgo

Caminhava eu por Hamburgo com Pablo, cavilando em que fariamos essa noite (a anterior já fixeramos o percorrido de rigor pola Reeperbahn, isso si, só alcool, nada de outros vícios), quando vimos um cartel anunciando umha sessiom do Shantel. "Pois este tio tem certa graça... conhece-lo?" "Si, pode estar bem", "venha, imos".

Sem luz: cool...

E ali fumos. Nom lembro o nome do garito, pero creo que a entrada eram 8 €... e o que si lembro é o horário: ia começar às 11, pero como isto nom é Planícia, nom o fixo até as 12... e ali estivo, pinchando até as 5 (ou mais: a essa hora piramo-nos porque abria o Fischmarkt, pero o tio seguia). Tamém lembro a cantidade de vodkas com redbull que traguei (nom havia maneira: pedia-lo com limom ou outra cousa e os camaretas, venha a ponher-lhe red bull); que fôrom moitos pero claro, destes cubatas "europeus" podes tomar 10 que dá igual, som 95 % refresco. O sítio, por outra banda, estava cheo, nota-se que aqui a gente le o rockdelux e já sabe que o tio foi escolhido "DJ do ano" ;-)

... e com luz (nunca acendas a luz!): panda borrachos...

E como foi o rolho? Pois para mim, OK mais um chisco decepcionante. Passei-no bem, pero esperava mais. Mais festa: já sabia que o de Shantel nom som os virtuosismos com os platos, que se limita a ponher cousas pregravadas e punto. E tal qual, pero é que nom "compensou" isso com umha sessiom rompepistas. Moito "Disko partizani" (deveu soar 3 ou 4 vezes mínimo) e moito "Disco boy", e... pouco mais. O tio, bastante frio, apesar de permitir que a gente subisse com el ao escenário.

Tinha que passar-se por qualquer verbena d'a nossa terra pra ver o que é montar festa... meu deus, já pareço Pérez Varela... ou Henrique Tello... argh!

Esta noite volvo ao redil, ao Vera. Tenho entrada para ver a uns tipos que acabo de conhecer esta tarde... e... mmm... tenho que morder a língua para nom dizi-lo pero... poderiam ser os próximos Anim... melhor nom digo nada e espero a ve-los. Proximamente em Arbolícia: Evangelicals.
.



3 comentários:

Pablo disse...

Por certo, o local chamase Casino Mandarín, e é un dos miticos de hamburgo

Moi disse...

O tio este leva ben tempo tocando no Casino, de feito a unica vez que entrara ahi coidaba que era o tipico clube de St. Pauli, que mezcla pracer coa musica. Non me deu moito mais o tio. Sen lugar a dubidas sego quedandome con Molotow como a mellor experiencia hamburguesa, seguido do Uebel und Gefährlich. Habera que ir o Reeperbahn Festival este ano para disfrutar de todos eles de novo.

Que tal na cidade do vicio.

Carminha disse...

Ui, ui...
Gracias que teño a Moi para enterarme a que tipo de antros te leva Pablo!!!
;-*