domingo, 25 de dezembro de 2011

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Festa Clausura SinSal 2011



O ano vai chegando ao seu fim, e com el remata tamém o ciclo de eventos programados polo colectivo Sinsal ao longo do 2011. Umha boa razom para montar umha festinha e fechar o ano como é devido, que nunca se sabe o que pode vir no futuro, e menos nestes tempos. Já avisam os de Sinsal na sua web: "o ano 2012 será ainda mais duro, mais complicado". Som tempos duros, inseguros, estranhos, que pidem música que os acompanhe.

Umha música ao estilo, por exemplo, de Das Kapital, os encargados de abrir a velada do 5 de Dezembro na sala Mondo. Umha banda que recupera um certo espírito dos anos '80, o que aqui na Galiza representárom os Resentidos (dos quais versioneárom "Jet Society") e Radio Océano (dos quais, "Narcisismo"). O seu nome já dá pistas de por onde vam os tiros: post-punk de inclinaçom industrial e linha proletária. Ao procurar o seu nome aginha saem referências a Einstürzende Neubaten ou ao situacionismo, como apontava por exemplo Alex Cancelo no Tempos Novos de Julho deste ano. Eu quedo-me com a versom que figérom de "First we take Manhattan" de Leonard Cohen, moi bem traida e traduzida. E nom lhes falta um toque de humor, que nom é óbvio, mas si importante pois evita que as actuações do Leo (agora mesmo o melhor frontman do país) caiam no síndrome "performance de Emilio Restrepo" ;-)


Pola contra, o humor nom é o que caracteriza a Ninsennenmondai. Este trio de japonesas nom se permite nem tam sequera um sorriso, nom hai relax nem lugar a despistes. Expressom hierática e precisom robótica que, contodo, nom implicam frialdade nem falta de emoçom. Moi ao contrário: é começar a meter-te numha cançom sua e à mínima que te despistes estás atrapado, sem saber moi bem em que retorta ficaches. Como numha actualizaçom do kraut-rock de Neu!, ritmos motorik que tamém podem tirar, num momento dado, cara sonoridades mais recentes como o post-rock ou o revival post-punk da passada década. Moito 'post', certamente (nom esperavamos outra cousa dos rastreadores de Sinsal), mas bem orgánico e disfrutável. E que bateria, senhores! Desde The Hanged Up que nom via algo comparável (por certo, fora noutro Sinsal, naquel mitiquérrimo concerto de GYBE).

Despois dos concertos optamos por marchar; já amortizaramos de sobra os módicos 5 € da entrada, ainda que assi nos perdimos a Galis 115 e Ningunos DJs, que pinchariam até bem entrada a noite. Ficamos desde já à espera do que nos traia o Sinsal 2012, até entom o inverno será duro... pero já falta menos!

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Pony Bravo (Sala Mondo, Vigo, 11/11/11)





La voz del hacha dice la verdad / parte el tronco justo por la mitad

Como mola a verdade de Pony Bravo! É surrealista, intensa, original, divertida... este quarteto sevillano chegou a Vigo já bem rodado e perpetrou um concerto redondo, nom demasiado extenso pero completo. Adoitam ser comparados com Triana e Veneno, e nom se erra moito ao dizer isso; tamém é certo que nalgum tema lembram aos Doors... pero em realidade som moito mais, e uma cançom sua pode tirar igualmente cara o reggae, por exemplo, ou cara ritmos africanos (som confesos admiradores de Fela Kuti), ou mesmo cara o kraut-rock ou o post punk, influências estas últimas que se notam mais no seu grupo paralelo, Fiera. Eu apenas os conhecia, mais alá de ter escoitado "Noche de setas" em Radio 3, mas a sistematica escoita do seu último disco ("Un gramo de fe") previamente ao concerto me preparara para uma boa descarga musical, da que saim convertido em fan.

Os seus discos podem-se baixar de balde na web El Rancho, pero hey, por que nom comprá-los? Já só polo artwork - onde convivem nazarenos, Cobi, a esfinge Chiquito ou as flores psicodélicas - já merece a pena. E do genial packaging do disco de Fiera, "Déjese llevar", já melhor nem falamos... provavelmente o mais original dos que alberga a minha colecçom de discos!

Prefiro nom entrar demasiado em detalhes sobre se tocárom este ou aquel tema; à fim e ao cabo repassárom praticamente todo o disco. Só uma mençom especial: ao bis no que tocárom uma nova cançom, "Mi DNI", hilarante narraçom dum encontro com um crítico musical, suponho que baseada em feitos reais, e que agardo que gravem quanto antes. Deixo um fragmento da sua interpretaçom de "Ninja de fuego", um de tantos temazos:

video

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Wilco

.


Wilco é uma banda sobrevalorada... os seus discos estám bem, nom hai nengum mau, mas nom chegam ao nível das louvanças que adoitam receber, tanto da prensa musical como de moitos aficionados. A ver, é que eles e mais eu nom começamos com bom pé; quando os escuitei por vez primeira (o Summer Teeth do 1999) eu tinha em mente que tocavam americana, tal e como lera por aí, e fiquei descolocado. Tardei bastante em decatar-me de que o seu rolho era outro, que realmente som uma banda de pop-rock ao estilo beatle, com alguma querência por ritmos kraut (o que nom os fai piores que se fossem uma panda de folkies, nem moito menos).




Ora, o dito anteriormente aplica só aos Wilco dos discos. Ao vivo som outra cousa, o seu direto tem sona de ser dos melhores do mundo mundial... e despois de vê-los dou fe de que assi é. Dá igual que os temas sejam de Jeff Tweedy, nom tem nada que ver um concerto deste em solitário com um de Wilco: cumpre-se bem o tópico de que o todo é moito mais que a soma das partes. Porque Wilco, isso si que é innegável, som uma máquina perfeitamente ajustada, uns professionais do seu, que é tocar, cousa que fam com precisiom e contundência.





Por um show assi si que vale a pena abonar os 40 € que nos calcárom; uma cifra penso que excessiva para um concerto de rock, ainda que quase parecesse um saldo sabendo que noutros sítios desta mesma gira - e sem sair do estado espanhol - a entrada costava perto dos 100 €. Ademais o sítio, o novo Auditório do Mar de Vigo, era moito mais acaído que o inicialmente previsto (o pavilhom das Travessas, que era mais grande, mas com um som infame). A todo isto, houvo teloneiro, Jonathan Wilson, ainda que praticamente nom o escoitei, já que aproveitamos essa hora para beber cerveja na entrada. Nós nom queríamos fazer-lhe um feo ao Jonathan, mas resultou que os vasos de birra nom se podiam introduzir na sala... detalhe que se coidavam de advertir quando cha vendiam, os moi listos.



video



E que tocárom? Pois aí embaixo deixo o setlist... e este é outro ponto a favor dos diretos de Wilco, porque se num disco nom vam sobrados de canções, à hora de seleccionar 20-25 já é outro cantar... e isso que faltárom um par de temazos, nomeadamente "Spiders (kidsmoke)" e "At least that's what you said", aos que bem lhes podiam ter feito sítio. Isso si, por fim Moi puido escoitar em condições o "Heavy Metal Drummer", que por diversos e sucessivos gafes sempre se acabara perdendo nos seus concertos anteriores de Wilco. Polo demais, o repertório previssível: meia dúzia de temas do seu último disco, visitas frequentes aos seus discos cume "Yankee hotel foxtrot" e "A ghost is born", e puntuais lembranças do resto.


quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Grelo Folk: perfecto de 10



video


Outono, tempo de grelos, e outro ano em que a associaçom cultural O Abordelo organiza umha nova ediçom do Grelo Folk. Umha cita à que sempre acudo com umha alegria especial; e esta vez nom foi umha excepçom, ainda que as circunstâncias fixeram que esta ocasiom tivesse um cariz algo fúnebre. E é que tocava lembrar dous ausentes forçosos, duas persoas às que a da gadanha veu buscar com excessiva presa. Umha perda estava ainda relativamente recente: a do Manolo de Molde, genial puntal do Abordelo que foi devidamente homenageado tal e como dá fe o vídeo anterior. Seguro que as suas cinças sobrevoárom o mosteiro por umhas horas.



O Leo e XM Pereiro


A outra perda, mália ser moi anterior, tamém estava de atualidade, por ser o protagonista do Dia das Letras deste ano. Lois Pereiro foi lembrado em primeiro lugar no pregom, pronunciado polo seu irmão Xosé Manuel. E a seguir, por Ondas Martenot, o grupo que fora formado para homenageá-lo tocando algumhas das suas canções favoritas. Quase quase podemos falar de super-grupo, já que ali estám os papaqueijos Antom & Amil, Leo arremecaghona e Cristina Asenjo. No repertório, "People are strange" de The Doors, "Innocent when you dream" de Tom Waits, "Should I stay or should I go" de The Clash, "Love will tear us apart" de Joy Division, "Narcisismo" de Radio Océano/Lois Pereiro... ou seja, o toke indie, por chamá-lo de algum jeito, que até agora nom se escoitara nos Grelos e que moito me prestou.


Que modernosss!


A seguir, um achádego peculiar: a Orquestra os Modernos. A palavra "retrofuturismo" cobra um novo significado quando se aplica a esta tropa, um conjunto de música bailável que aspira a estar à última... segundo os estándares de começos do século XX. Tremenda festa montárom, a base de moita ironia e boa música. A todo isto, hai que dizer que o som era espectacular, "perfecto de 10", nom só no caso deste grupo senom em geral de todos. Vinham despois uns habituais por estes lares, os Cuchufellos, pachanga e canha desde as terras de Trives. E para rematar, Estimaba que viñeras, dos que a verdade já pouco podo dizer, pois a essa hora marchei botar a soneca ao carro.


Enfim, tenho que admitir que sempre o passo genial nesta festa, e parece mentira quanta felicidade pode aportar algo no fondo tam singelo. Só podo agradecer aos organizadores que ano tras ano sigam rompendo os cornos para montar isto, e pregar-lhes (Ana, Pablo, vai em sério) que por favor, nom se lhes ocorra deixar de fazê-lo. Que as endorfinas som moi necessárias para a saúde.


Ah, e se podo, umha petiçom: que o do vindeiro ano recunque no modernismo... e no postmodernismo! :-D

domingo, 16 de outubro de 2011

Solpores desde Romil













Primeira entrega desde a nossa janela, de Julho a Outubro de 2011.

sábado, 8 de outubro de 2011

EMA - California



FUCK CALIFORNIA, YOU MADE ME BORING
I'VE BLED ALL MY BLOOD OUT
BUT THESE RED PANTS THEY DON'T SHOW THAT

O primeiro impacto, o de escuitar "California" sem prévio aviso, foi brutal. Como cada vez tenho mais a sensaçom de estar um pouco de volta de muitas cousas musicalmente falando, aprécio essa bendita emoçom o que nom está nos escritos. Isso que passa quando escuitas uma cançom de alguém que nom conheces, esperando que "esteja bem", e de súpeto, plas! Óstia que te criou, a cançom colhe-te polos pelos e deixa-te pegado, movendo a cabeça e pensando "como mola". Se ainda nom escuitaches este tema, agora podes experimentá-lo: sobe o volume do ordenata e dá-lhe ao play do video de embaixo... e olha para el, que a interpretaçom da cantante vale tamém o seu peso em ouro.


A rapaza é Erika M. Anderson (EMA), uma nativa de Dakota do Sul que vem de publicar Past Life Martyred Saints, talvez o disco mais recomendável dos que levo escuitado este ano. Sónicamente é uma mistura de folk e noise, com algum toque electrónico; liricamente é uma sucessom de confissões de amor e desamor. Honesto e desesperado, oscilando continuamente entre a dependência emocional ("I wish that every time he touched me left a mark", canta em "Marked") e o anseio radical de liberdade. Um disco novo para sentir-se novo e sem nada que perder ("I'm just 22 and I don't mind dying"). Um disco que tem um feixe de temazos, como "Grey Ship" ou "Milkman", ademais dos já citados. Um disco que evoca dor, beleza, alienaçom, crueza, sensibilidade, loucura... vamos, um disco para celebrar que estamos em 2011 e PJ Harvey, Cat Power ou Kim Gordon tenhem polo menos uma digna herdeira.

sábado, 17 de setembro de 2011

Pareces de Coia (por derradeira vez?)


No Age

O ano passado, o pouco atractivo do cartaz fijo que faltara(mos) à cita de Paredes de Coura. Este ano a cousa pintava melhor, e ademais eu tinha ganas de festival... ou polo menos as tinha quando comprei a entrada, em Maio ou por aí. A medida que se achegava a data, tenho que confesar que cada vez sentia mais preguiça ante a perspectiva de passar 4 dias de camping, aturando calor e incomodidades e durmindo pouco... quando podia passar esses dias tranquilamente na praia e nos bares. Aburguesamento? Sem dúvida, e é que os anos passam e cada vez hai menos aguante e paciência. Mas, a fim e ao cabo, tinha comprado o abono, e ademais tinha companhia; reduzida, mas companhia: se outros anos eramos vàrios os que nos apontávamos, esta ocasiom foi unicamente o Ful quem se animou, influido claramente polo feito de que a cerveja do festival deixava de ser Heineken para voltar à clássica Superbock.

Omar Souleyman

Repetindo a jogada de 2009, fomos já o domingo para plantar as tendas, e menos mal que o figemos com tanta antelaçom, pois colhemos uns dos últimos sítios de sombra. Está claro que a afluência de gente nom decresce nem moito menos... Uma vez assegurada a nossa comodidade, voltamos a Paredes o primeiro dia de concertos, a quarta feira. O programa era reduzido, mas havia um par de grupos que queriamos ver: sobre todo os Crystal Castles, cabeça do cartaz dessa noite. Ouvíramos falar maravilhas do seu direto (Guede já os vira noutro Paredes) e era moito o que agardávamos deles; porém, nom alcançárom o nível de selvagismo esperado. Tamém influiu o feito de tocarem no escenário secundário (esta noite ninguém tocou no principal, o do anfiteatro natural), que estava tam ateigado de gente que apenas nos puidemos achegar o suficiente para alviscá-los. Mornas sensações, em resumo. Claro que moito pior foi o do Omar Souleyman, protagonista do maior timo que tenho presenciado: o seu show consistiu a maior parte do tempo em aplaudir ao público mentres sujeitava o micro baixo o braço; esporadicamente levantava as mãos como dizindo "venha, todos arriba", e de quando em vez soltava alguma frase em idioma moruno... todo isto mentres um compinche ponhia uma cinta. Tenho visto actuações mais defendíveis fazendo playback no Luar, com isto digo todo. E nós que pensávamos que o tio ia ser um espectáculo, coitados! Antes deste figura tocárom Wild Beasts, grupo británico de moda moi apreciado pola crítica... e que nos deixou bastante frios. Em resumo, um primeiro dia bem modesto.

Warpaint

A quinta feira foi o dia no que fomos comer a picanha ao já mítico restaurante situado no alto da vila... pagou a pena por suposto, e nom só pola comida senom polo ar acondicionado, já que a calor este dia era de record. Sobre os concertos, o primeiro ao que chegamos, já começado, foi o de Twin Shadow. Pouco esperava deste ghicho, que me parecia um hortera polo que tinha escoitado, e porém, deixou-me bom sabor de boca. Ao vivo pareceu-me mais variado e interessante que a image cutre-oitenteira-com-sintetizadores que me fixera del. A seguir, Warpaint, o quarteto angelino (e angélico) de dream pop; paga a pena escoitar o seu single "Undertow", do seu disco "The Fool". Outro grupo interessante foi Blonde Redhead, trio neoiorquino que conta já com uma dilatada trajectória (esta frase é puro #ranciofact). Mas o que todos esperávamos era Pulp, banda destacada da noite e do festival. Os de Jarvis Cocker amosárom-se em plena forma, executando os seus hits com entrega e precisom; tinham difícil sorprender mas dende logo nom defraudárom, e deixárom-nos com ganas de mais. Ainda fomos escoitar um pedaço a Delorean, mas a essas horas já nom estávamos para moita festa.

Battles

O dia seguinte fixemos uma escapadinha a Vigo para descansar um pouco do camping, comer na casa, tentar (sem éxito) uma sesta, e repor forças em definitiva. Se tivéramos tido tempo de ir à praia o goço seria completo, mas nom puido ser. De forma que chegamos para o enérgico rock de ... And they will know us by the trail of dead. Mais interessante foi a inclassificável proposta de Battles, rock "experimental" se é que essa palavra tem algum sentido falando de música (cousa que duvido) que sentou francamente bem: refrescante, entretido, intenso... um grupo a seguir, definitivamente. Chegava despois o turno de Deerhunter, a priori um dos pratos fortes do festival e seguramente tamém um dos melhores concertos; para o meu gosto o melhor da noite junto com os anteriores. Ficavam ainda os noruegueses Kings of Convenience, moito mais convencionais: pop-folk agradável para escoitar sentadinhos na erva. Fechou a noite Marina & the Diamonds, e por mais que me esforço nom consigo lembrar nada dela...

Death from above 1979

O que nos coloca já no derradeiro dia de festival, o sábado 20 de Agosto, o dia grande. Entramos em calor com os irlandeses Two Door Cinema Club, rapacinhos com algum que outro tema resultom, mas a todas luzes secundários ou moito me equivoco. O realmente interessante vinha a continuaçom, com No Age e Mogwai, possivelmente os dous grupos que mais me interessava ver e que, malditas casualidades, justo fôrom a solapar-se: começavam No Age no escenário secundário, que tomárom ao asalto com o seu noise-pop-punk tam persoal. Na minha opiniom, este duo angelino tem proporcionado alguns dos melhores arrepios musicais dos últimos anos, quase todos incluidos no seu LP "Nouns", a obra mestra da sua curta trajectória; sirva como exemplo a emocionante "Teen Creeps". Notável concerto, mas nom o puidemos rematar de ver porque tinhamos que ir ao de Mogwai, evidentemente... e bem que fixemos. Eu já vira aos de Glasgow hai 8 anos em Dresden, mas já me ia apetecendo outro concerto seu. E abofé que nom defraudárom: os seus discos podem ser cada vez mais previssíveis, a sua música seguramente nom chegará aos níveis de emoçom dos seus discos anteriores, mas ao vivo seguem a ser uma tremenda máquina eléctrica que justifica o bom nome que alguma vez tivo o post-rock. Mágoa que se fixeram breves, moi breves, e apenas puidérom visitar o "Rock Action " ou o "Happy songs for happy people" (perfecto "Hunted by a freak"). Ainda vinhérom despois os Death from above 1979, ingrata tarefa a sua pois era difícil manter o nível, ainda que para quem tivesse ganas de festa fôrom uma beiçom. Nom era o nosso caso.

video

Pulp: Disco 2000

E isto foi o que deu de si o que foi seguramente o meu derradeiro Paredes de Coura... e mesmo diria o derradeiro festival de acampada, porque sinceramente, a estas alturas cada vez tenho o corpo com menos vontade de aturar o pó, a calor, os subnormais que madrugam para berrar idioteces com megáfono ("olá... sou Katia"), a sobredose de concertos de grupos polos que maiormente nom pagaria uma entrada... enfim, fago-me maior e hoje por hoje prefiro um concerto de um ou dous grupos que realmente me interessem e que poida apreciar em toda a intensidade... porque tamém tenho que dizer que a dia de hoje, transcurrido apenas um mes dende o festival, apenas consigo lembrar nada da maioria dos concertos... e para isso, amigos, nom paga a pena tanto "secrefício". Ou nom é?

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Vigo Transforma


Hola a todo el mundo

O sábado 2 de Julho era o dia grande do Vigo Transforma, e claramente o mais apetecível. Principiava com Hola a todo el mundo, grupo que redime o conceito freqüentemente aborrecível de "indie espanhol". Tenhem algumas boas canções e dam o pego com o som; mais que suficiente para começar o festival com boas vibrações e indo para arriba. Nom seguiu assi a cousa com Russian Red. A popular cantante (mais bem impopular, ultimamente) veu moi acompanhada (moitas guitarras) e evitou a fragilidade que figera tam populares as suas primeiras maquetas, mas sem animar verdadeiramente o panorama. Nem bem nem mal...


Yann Tiersen

Pouco ou nada sabia de Yann Tiersen aparte de ser "o da banda sonora de Amelie". Abofé que essa etiqueta nom o define em absoluto; a sua música picotea em moitos sítios e evita a classificaçom fácil. A mim por momentos pareceu-me post-rock do bom, mas noutros momentos nom saberia dizer o que. Em qualquer caso, foi intenso e convincente, deixando-me com a vontade de escuitar mais cousas suas. Seguiam The Pains of Being Pure at Heart, de quem alguns esperavam pouco e eu moito. Com dous discos no haver, levam facturado algumas das pérolas pop ruidoso mais adoráveis dos últimos anos. Mas ao vivo nom fôrom quem de reproduzir o efeto; falta-lhes presença e rotundidade no som... ou assi foi nesta ocasiom. Suponho que tampouco me perdera tanto naquel Paredes de Coura no que chegáramos tarde ao seu concerto por apurar de mais a botelha de licor pola tarde!


The Pains of Being Pure at Heart

Vinham despois The Gift. A já veterana banda portuguesa tem alcançado altas cotas de emoçom nalgum tema, mas por alguma razom o seu direto pareceu-me mais bem vulgar; talvez fosse o feito de ter altas as expectativas. E para rematar, os cabeças de cartel, dEUS. Estes si que nom defraudam, e desde o princípio dérom uma liçom a, p.ex., The Pains, de como soar contundentes e ao mesmo tempo melódicos. Sempre elegantes, ratificárom a boa impressom que causaram em Paredes... isso si, polo pouco tempo que os vim, apenas os primeiros temas (M.C. teimava em ir para casa).



segunda-feira, 4 de julho de 2011

Rota dos Muínhos do Folom e do Picom - Poças do Cal



Por alguma razom decidimos passar o dia mais caluroso do ano caminhando polo monte, contando os moitíssimos muínhos que povoam as beiras destes carreiros do Rosal. Percorremos a senda em sentido anti-horário, subindo polo Picom e baixando polo Folom... e parando no meio para refrescar as horas centrais do dia com uns banhos nas poças do rio Cal. As fotos estám em ordem inversa, começam polo remate.








domingo, 3 de julho de 2011

Sonar Crunha, 17-18 Junho 2011


MIA entre a gente


O Sonar barcelonês tem uma consolidada trajetória, coerente e interessante. Até agora só o conhecía de ouvidas, e já tinha gana de catar a sua ediçom galega, uma versom reduzida da que podem desfrutar em BCN. Poder gozar dum evento assi na Crunha é todo um privilégio, ainda que a reduçom da oferta se traduziu num estreitamento do abano estilístico, prescindindo de algumas das propostas mais heterodoxas. De jeito que o menu que nos ofertavam estava mais centrado no baile que no conceito mais amplo e relativo de “músicas avançadas”: nada de Steve Reich, por exemplo, nem de Aphex Twin, Dizzee Rascal, Ryuichi Sakamoto ou Janelle Monáe... nem da idéia de Sonar de dia e Sonar de noite, que tanto me apetecia dadas as minhas querências diurnas.



Mas vou falar já do que si se puído escoitar, principiando polos encarregados de abrir a noite da sexta-feira, os veteranos Underworld. O trio inglês fora um dos referentes do encontro entre o mundo do rock alternativa e as pistas de baile, hai quinze anos. Ao vivo utilizam um par de trucos escénicos como a pantalha trás a que se ocultava por vezes o cantante, ou os jogos que fazia com uma câmara de vídeo... mas a fim e ao cabo eu ia por escuitar o de “mega mega white thing” de aquel "Born Slippy" que os figera famosos, o hit que nunca superárom, e que deixárom apropriadamente para o remate. O ambiente no festival era ainda um pouco frio, e a dizer verdade este primeiro dia ficou um pouco assi, sem achegar-se ao cheio nem de longe. DJ Ino y la Keise Band pugérom algo de calidez, era uma das bandas que nom conhecia e que me convenceu com a sua mistura de funk, hip hop, e mesmo jams de jazz. Mália que alguma resenha criticava o seu som, acho que o local nom ajudava, e de feito o mesmo reproche se lhe poderia fazer a mais grupos, como Magnetic Man. Os trio de DJs de dubstep pugérom-lhe vontade mas nom conseguírom espertar-me, apesar de "I need air". Restava por ouvir o kuduro de Buraka Som Sistema e o seu "wegue wegue", festa e baile para fechar a primeira noite.





O mais interessante estava reservado para a segunda, começando pola figura indiscutível do festival, M.I.A. A música desta londinense de Sri Lanka e o status de estrela que tem acadado som para mim do melhor que lhe tem passado à música no que levamos de século. Ofereceu-nos um show de altíssima intensidade, despois dos minutos iniciais nos que nos castigou com um interminável video de debuxos animados ao estilo bollywood. Houvo de todo, saltos ao público, invitaçom a que este invadisse o escenário durante vários temas, os rapeos de Afrikan Boy, temazos como "Paper Planes"... pero os 50 minutos que durou figérom-se moooi curtos. Uma autêntica mágoa. Cut Copy fôrom com diferença os mais popeiros do festival. Som uns horteras, e teimam em recuperar o pior dos anos 80 (por que volvem agora esses sintetizadores? porque é o revival que toca, claro)... pero tenhem o que hai que ter, ou seja hits: "Need you now" e "Take me over", inapeláveis. Só por isso, fôrom o melhor dos 3 grupos que se solapavam a essas horas: moito mais entretidos que Richie Hawtin, que quem apenas ouvimos um par de cortes - e bem nos chegou- e Four Tet, que nom estivo mal ainda que nom me impactou. Todo o contrário de Die Antwoord, fantásticos desde o começo. Esperava com interesse o show destes sudafricanos, que parodiam/defendem a idiosincrasia white trash (ali chamam-lhe "zef"), e nom defraudárom o mais mínimo. Personalidade, bós temas como "Ritch bitch" ou "Enter the ninja", original posta em escena e entrega total: todo o que se pode pedir. Despois deles vinha pinchar James Murphy, mas entre o cansaço e o pouco chamativo da proposta do ex-LCD Soundsystem, só nos quedamos a escoitar o começo.


video



A resposta selvagem



sábado, 28 de maio de 2011

Por que me gusta o ciclismo



Ai, o ciclismo. Um deporte em grande medida inexplicável, que pode chegar a ser tam apaixonante como tedioso. Uma atividade esquizofrênica, heróica e miserável, própria de tipos com um cerebro calculador e outro temerário. A tirania dos “pinganilhos” compartindo asfalto com as arroutadas suicidas. Entendo aos que pensam que a visom do pelotom é só uma boa escusa para dormir a sesta entreolhando paisagens alpinas. Mas sei que também contém uma semente de grandeza que esporadicamente consegue germinar. E quando o fai (num estoupido que te ergue do assento e justifica as horas passadas fronte o televisor), adoita ser por mor da bendita loucura dum feixe de iluminados fanáticos. Heróis às vezes quase anônimos, como Manuele Mori, cuja fotografia ilustra este post. Um desses sempiternos perdedores aos que chamam gregários, e que aos seus 31 anos só conta no palmares com uma vitória, na nada prestigiosa “Japan Cup”. Mas que um dia, como lhes passa a quase todos, tivo a sua grande oportunidade de tocar a glória, uma glória modesta pero glória à fim e ao cabo. Mas, igual que lhes passa a quase todos... não o conseguiu. El conta-o assi:

“Esse dia todo era perfeito. Todo quadrava. Estava ali a minha moça, e também meus avós, todos. Colhim a fuga. Éramos cinco. Baixando o Bracco, a sete kilómetros da meta, eu sentia-me tam bem que cria que voava, cria que ia ganhar a etapa, um grande dia, uma etapa no Giro. Entom, numa curva mal tomada, voei de verdade, voei por em cima do guardarrail e caim por um barranco. Felizmente, nom tinha nada. Atopei a bici, voltei à carreira, um freo nom me funcionava, a roda traseira estava feita um oito, mas ainda assi nom ia render-me, alcancei o grupo da fuga e nom me conformei, estava quente de verdade, ataquei-nos. Fum-me só. A kilómetro e meio da chegada sacava-lhes 10 segundos. Depois disso, nom tenho nem idéia de nada mais. Só do apagom. O único que podo dizer é que tinha o casco partido em dous, que tinha todo o corpo machucado... e que nom ganhei”. E continua: “Passárom quatro anos dende aquela e nunca tivem uma oportunidade parecida. O meu pai foi profissional e ganhou uma etapa no Tour de 1970, e meu irmão Massimiliano também foi ciclista e tampouco ganhou nunca uma carreira profissional. Nesta família estamos condenados a sufrir. Mas espero que meu filho também seja ciclista”.

Ante isto só podo fazer minhas as palavras de Willy, o jardineiro dos Simpsons: “nom chorei quando aforcárom a meu pai por matar um maldito cocho, mas chorarei agora”. E engadir que quero um pelotom de 198 Moris na Volta a Arbolícia! (e nengum Sastre, se pode ser).

Esta história e moitas mais conta-as o grande Carlos Arribas num fermoso texto publicado em El País. De ali saco também estas verbas de Rasmussen, que ao meu ver resumem a essência do assunto por se é que alguém ainda nom o entende:

“A beleza do Tour é que é, foi e sempre será um desafio entre iguais. Vai de saber quem está preparado para sofrer mais, para fazer-se mais dano a si mesmo, e assi é como deve ser. Essa é a pureza do assunto. O ciclismo é para mim um assunto existencial. Nem mais, nem menos.”

segunda-feira, 23 de maio de 2011

M Ward em Vigo, 19/05/2011



Outro sobranceiro da americana que se deixa caer polo arrabaldo do Sul, esta volta polo relativamente novo - e bem coqueto - auditório municipal. Por el passou este nativo de Portland, Oregon, meio murcho e com a voz um algo cascada. Nom é que esse estado afetasse de mais a sua atuaçom, pois à sua música, de natural pausado e sussurrante, quase que lhe acae um tantinho de fragilidade extra. Foi assi, armado apenas com a sua guitarra, que cambiou num par de temas polo piano, como foi repassando algumas das jóias da sua discografia. Nom todas as que se esperavam, pois infelizmente deixou fora "For beginners" (uma favorita particular, que abria o seu disco Hold Time). Em câmbio, si que puidemos escoitar grandes temas como "Magic trick" [ver vídeo], "Requiem" ou "Poison Cup", todos eles da sua obra mestra de 2006, Post-War. E soárom também algumas versões: "The story of an artist" de Daniel Johnston (graças por descubrir-ma, nom a conhecia e encantou-me: para isto estám as covers), e "Rave On" de Buddy Holly. Foi, isso si, um concerto um pouco breve, se bem se pode desculpar pola condiçom algo enfermiza do artista.


video

(nota completista: fijo de teloneiro o cantautor local Óscar Avendanho)

terça-feira, 26 de abril de 2011

O Trilho da Águia do Sarilhão



Vimos de passar as férias numa casa rural na freguesia de Ventosa, concelho de Vieira do Minho. Um prato forte desta estadia, para a que nos juntáramos 15 amigos, iam ser os roteiros: a cercania do Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG) prometia abundância de paisagens por descobrir. Infelizmente, o mal tempo impediu-nos sair caminhar tanto como pensáramos; mas ainda assim, puidemos fazer um percorrido bem fermoso: o chamado Trilho da Águia do Sarilhão.
.

.

É-che uma pequena rota que percorre o devandito parque pola zona Sul do encoro de Vilarinho das Furnas (concelho das Terras de Bouro), na parte alta do rio Homem, à sua vez afluente do Cádavo.

.


Ainda sendo relativamente curta (menos de 9 kms) e plana, esta rota permite desfrutar de paisagens variadas. Ao começo, ao pouco de deixar atrás o povo de Campo do Gerês, passamos polo típico monte inçado de toxos e uzes, como se vê nas fotos anteriores...

.

... enxergando também alguma que outra fervença. Enseguida chegamos ao encoro, do que se tenhem umas vistas espléndidas.


A partir de aqui continua-se um pedaço pola beira do encoro, adentrando-se em zonas boscosas.
.



Neste trecho está-se a seguir a chamada Geira, a Via XVIII ou Via Nova romana, que vai de Braga a Astorga. De aí que se atopem cousas como esta:
.



Figemos uma parada para comer despois de botar a derradeira olhada ao encoro. A partir de ali a rota seguia um cacho pola estrada, e aginha se separava para subir ao povo de Campo do Gerês, ao que se chega polo lado oposto ao que percorréramos antes.



A verdade é que neste ponto nos confundimos de caminho e fomos até o ponto de partida (o museu etnográfico de Vilarinho das Furnas) polo mesmo caminho que seguíramos à ida, aforrando assim algum kilómetro.



Resumindo, foi um percurso bonito e fácil, é dizer, moi recomendável. Outro argumento a prol da velha tese arvorícola de que algumas das partes mais fermosas da Galiza som as das costuras, é dizer, as das fronteiras que lhe impuxérom ao Leste e ao Sul :-)