quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Agardando o Papagrelo

.


Estamos em 1999. O bravú ainda rebule, e o amigo Pablo anda com a teima de organizar um festival de música perto da sua casa. Tanto tem que apenas tenha 20 anos cumpridos, ou que a sua casa esteja um pouco longe de quase todo - no val de Gestoso, acarão das fragas do Eume. O que conta é a ilusão e a vontade de fazer cousas, e dessas anda sobrado. E também tem algum que outro contacto: o seu curmão Xan toca nos Papaqueixos, uma banda de culto incipiente que tem alguma maketa gravada e uns quantos concertos às costas, e que vem de sacar um disco. Meu dito, meu feito. Consegue liar os Papaqueixos e alguma gente mais, e organiza a que será a I Festa folk no rio Dez. À beira do rio, com o tempo próprio do outono, aquilo começa com visos de desastre, pois o nível de lama ameaça com superar o de Woodstock. Mas as pequeneces sem importância não vão ser quem de estragar a festa, que resulta ser um êxito absoluto que gerará uma lenda instantánea.

(Repetide comigo: "1, 2, 3... estrume!!!" Ai... onde estará o vídeo que se gravou? e as maketas dos Papaqueixos... ubi sunt? Mágoa de não ter nem tão sequera uma foto, e ter que recurrir a esta frágil memória...)

Aquilo não podia ficar ali, e não ficou. Cumpria dobrar a aposta, assi que o ano seguinte o festival muda o nome polo de Grelo Folk e traslada-se ao vizinho mosteiro de Monfero. Como teóricos "figuras" venhem os Ruxe Ruxe (polo menos, são os que tocam ao final). Mas os triunfadores voltam ser os Papaqueixos, que numa das suas típicas exibições roubam o show e fam tolear à gente toda com a sua interpretação de "Teknotrafikante". Quando os Ruxe Ruxe saem a tocar, o primeiro que fam é louvar a esses fenómenos.

(Se alguém ainda não os conhece, já tarda em buscar uma cópia do seu único disco, "A lóxica aplastante do comité de propaganda": jazz, rock, folk e ska misturados como nunca antes se figera - e ainda nunca se volveu fazer na Galiza. Tristemente, os Papaqueixos separárom-se, fôrom cada um polo seu lado, e nunca mais pudemos disfrutar deles como tais... ainda que alguma cousinha relacionada puidemos escuitar a cargo dos Ulträcäns ou dos Trebóns)

Estamos em 2009. Passou o tempo, medramos um pouco, e... não, não quedamos na Flor de Montouto, senão que... queremos emendar a história! E abofé que o vindeiro sábado 31 de outubro o havemos fazer. Porque volve o grelo, e... VOLTAM OS PAPAQUEIXOS! Inesperado? Totalmente. Improvável? Si, amigos, mas também o parecia a volta dos Pixies e aí estivérom. Graças aos esforços dos de sempre, agora como associação cultural O Abordelo, de hoje em 9 dias imos poder reviver aqueis mágicos momentos. E não estarão sós: os Tres Trebóns, Cuchufellos, Ulträcäns, Banda Potemkin, e a Charanga dos Veraneantes unirão-se à festa. O que tenha que trabalhar, que pida o dia livre, e o que se perda este evento, que seja por uma boa excusa. Como mínimo, por estar morto.

3 comentários:

Carminha disse...

Menuda festa!!! Os meus agradecementos á asociación O Abordelo por ternos organizado semellante acontecemento. Destacar o esforzo e bo facer dos organizadores e, especialmente, a entrega dos membros dos Papaqueixos que estiveron toda a tarde e toda a noite tocando!! Está claro que esta xente está feita dunha pasta especial!!!!!
Ata a próxima!!!

Carminha disse...

Pablo... non lle des máis voltas... O caldo estaba boísimo e o requeixo... nen che conto!!!

Galdo disse...

Mas, o que perdi!
Pablo, onde andas metido? Eu tenho a morada em Cedeira, voltei à costa.
A ver se um dia nos vemos ...